terça-feira, 29 de julho de 2014

AS CARTAS DE ARISTEAS


3ª Parte



O escritor professava ser um alto funcionário da corte de Ptolomeu Philadelphus (285-247 aC), um judeu grego interessados em antiguidades. Dirigindo-se a seu irmão Philocrates, ele descreve uma embaixada para Jerusalém, em que ele foi recentemente enviado com outro cortesão, Andreas. De acordo com sua narrativa, Demetrius de Phalerum, uma figura proeminente na história ateniense posterior, que aqui aparece como o bibliotecário real em Alexandria, convenceu o rei da importância de garantir na sua biblioteca uma tradução da lei judaica. O rei, ao mesmo tempo, para propiciar a nação, de quem ele estava pedindo um favor, consentiu sobre a sugestão de Aristeas, de libertar todos os escravos judeus no Egito. Seguiu-se cópias das cartas que passou entre Ptolomeu e Eleazar, o sumo sacerdote em Jerusalém. Ptolomeu Eleazar pediu para selecionar e enviar para Alexandria 72 anciãos, versados na Lei, 6 de cada tribo, para realizar a tradução de importância na tarefa que se requeriam os serviços de um grande número, a fim de se assegurar uma versão exata, Eleazar está em conformidade com o pedido e os nomes dos tradutores selecionados foram adicionados à sua carta.

Segue-se: (1) uma descrição detalhada das votivas ofertas enviadas por Ptolomeu para o templo; (2) um esboço de Jerusalém, o templo e seus serviços, bem como a geografia da Palestina, sem dúvida, em parte refletindo as impressões de uma testemunha ocular e dando uma imagem única da capital judaica na época ptolemaica; (3) uma exposição por Eleazar de porções da Lei.

Os tradutores chegam a Alexandria, trazendo uma cópia da lei escrita em letras de ouro em rolos de peles, e são recebidos por Ptolomeu honrosamente. Segue-se sete dias de banquete, em que o rei prova a proficiência em cada turno com perguntas difíceis. Três dias depois Demetrius os conduz a um lugar conhecido como o Heptastadion, para a ilha de Faros, onde, com todas as coisas necessárias fornecidas para sua conveniência, eles completam a sua tarefa, como por um milagre, em 72 dias; somos expressamente informados de que o seu trabalho foi o resultado da colaboração e da comparação. A versão concluída foi lida por Demetrius à comunidade judaica, que recebeu com entusiasmo e pediu que uma cópia fosse confiada a seus líderes; uma solene maldição foi pronunciada sobre qualquer pessoa que se atrevesse a adicionar ou subtrair, ou fazer qualquer alteração na tradução. Toda a versão foi então lida em voz alta para o rei que manifestou a sua admiração e a sua surpresa pelo fato de escritores gregos tivessem permanecido na ignorância de seu conteúdo; ordenou que os livros devessem ser conservados com escrupuloso cuidado.
Postar um comentário