terça-feira, 29 de julho de 2014

EVIDENCIAS DE ARISTOBULUS E FILO

4ª Parte

Evidencia de Aristobulus e Filo:
Colocando de lado esse relato, nós temos duas alusões pré-cristãs nos escritos judaicos. Aristobulus, abordando um Ptolomeu, que foi identificado como Philometor (182-146 aC), repete a afirmação de que o Pentateuco foi traduzido em Philadelphus no caso de Demetrius Phalereus (Eusebius, Praep. Ev., XIII, 12, 664b); mas a realidade da passagem é duvidosa. Se for aceita, afigura-se que algumas das principais características da história foram acreditadas em Alexandria em um período do século designado por “Aristeas” para a tradução de Filo (Vit. Moys, ii. 5 e seg) que repete a história do envio dos tradutores por Eleazar a pedido de Philadelphus, acrescentando que no dia da conclusão da tradução foi celebrada uma festividade anual, na ilha de Faros. É improvável que uma produção artificial como a carta de Aristeas devesse ter ocasionado esse aniversário; A evidência de Filo parece indicar uma tradição independente. Seu relato de algo em particular abre o caminho para acréscimos mais tarde; ele dá a entender uma inspiração dos tradutores e o milagroso acordo entre seus VSS: “Eles profetizaram como homens possuídos, e não um de um jeito e outro de outra forma, mas todos produziram as mesmas palavras e frases, como se algo estivesse o ouvido de cada um.” No final do 1 º século dC, Josefo inclui nas suas Antiguidades (XII, II, 1 ss) grande parte da carta, que ele parafraseia, mas não a embeleza.

Fonte: International Standard Bible Encyclopedia
Postar um comentário