terça-feira, 29 de julho de 2014

ACRÉSCIMOS ADICIONAIS À SEPTUAGINTA

5ª Parte

Os escritores cristãos aceitaram a história sem hesitação e a amplificaram. A catena de suas evidências é dado no apêndice da Edição de Wendland. As seguintes são as principais edições da narrativa, todas fabricações sem base.

(1) Os tradutores trabalharam independentemente, em diferentes salas, e produziram versões idênticas, Ptolomeu propôs esse teste da sua idoneidade. Então Ireneu, Clemente de Alexandria, Agostinho, o Chronicon Paschale e os Cohortatio ad Graecos (erradamente atribuído a Justino), o autor do último trabalho, afirma que ele havia visto as salas e ouvido a tradição no local. (2) Uma modificação desta lenda diz que os tradutores trabalharam em pares, em 36 selas. Então, Epifânio (que morreu em 403 dC) e, mais tarde, o relato de G. Syncellus, Julius Pollux e Zonaras. Epifânio que é o mais detalhado. Os tradutores foram encerrados em locais fechados em pares com os atendentes para suas necessidades; para cada par foi confiado um livro, os livros foram então postos em circulação, e 36 versões idênticas de toda a Bíblia, com os livros canônicos e os apócrifos foram então produzidos; Ptolomeu escreveu duas cartas, uma para pedir as Escrituras originais, a segunda para os tradutores. (3) Esta história das duas embaixadas aparece já no 2o século dC, na Apologia de Justino, e (4) a extensão do trabalho dos tradutores para os Profetas ou toda a Bíblia se repete nas duas de Cyrils e na Crisóstomo. (5) A harmonia milagrosa dos tradutores provava serrem eles não menos inspirados do que os autores (Ireneu, etc; comparar com Filo). (6) No que diz respeito à data, Clemente de Alexandria cita uma alternativa à tradição referente à versão por volta do tempo do primeiro Ptolomeu (322-285 aC), enquanto Crisóstomo sugere uma data de “uma centena de anos ou mais (em outro lugar, “não muitos anos), antes da vinda de Cristo.” Justino absurdamente afirma que Ptolomeu foi enviado à Embaixada do rei Herodes, o Chronicon Paschale chama o sumo sacerdote do tempo Onias Simão, irmão de Eleazar.

Jerônimo foi o primeiro a expor estas invenções mais tarde ao ridículo, contrastando-as com as narrativas mais antigas e sóbrias. Elas indicam uma crescente tradição oral em círculos judaicos em Alexandria. A origem da lenda do milagroso consenso dos 70 tradutores foi razoavelmente procurada em uma passagem de Ex 24 na Septuaginta, a qual Epifânio se refere expressamente. Havia ali 70 anciãos de Israel, que não se ouve falar de novo, que, com Aarão, Nadab e Abiu formam uma ligação entre Moisés e o povo. Depois de recitar o livro do Pacto, Moisés sobe ao alto do monte; os 70, no entanto, sobem um pouco, mas prestam adoração apenas de longe: de acordo com o texto da Septuaginta, “Eles viram o local onde o Deus de Israel estava... e os eleitos de Israel não pereceram” (Exo 24:11), ou seja, eles foram privilegiados em escapar do efeito habitual de verem a Divindade (Exo 33:20). Mas o verbo usado para “perecer” (Gr.: diaphonein) era incomum nesse sentido, “nem um único discordou” seria o óbvio sentido do verbo. Portanto, aparentemente daí, a lenda do acordo dos tradutores, como mais tarde intermediários entre Moisés e Israel na Dispersão. Quando as traduções foram recitadas, “nenhuma diferença foi descoberta”, diz Epifânios, utilizando o mesmo verbo; as cavernas-de-habitação na ilha de Faros provavelmente explica a lenda das salas. Um curioso fenômeno foi recentemente sugerido que, de fato, existe um elemento de verdade em um item da narrativa de Epifânio, a saber, o trabalho dos tradutores em pares. Os livros gregos de Jeremias e Ezequiel se dividem em duas partes quase iguais, aparentemente, o trabalho dos tradutores separados (ver VIII, 1, (2)), enquanto em Êxodo, Levítico e Salmos ortograficamente indicam uma divisão semelhante à dos livros clericais. Havia, ao que parece, um primitivo costume de transcrever cada livro em 2 rolos separadas e, no caso de Jeremias e Ezequiel, a prática remonta ao tempo da tradução (STC, IV, 245 e seguintes, 398 e segs; IX, 88 e seguintes ).

Fonte: International Standard Bible Encyclopedia
Postar um comentário